A febre de ouro, COVID-19 e o genocídio Yanomami – atualizado

Temo essa notícia desde que os primeiros casos de COVID-19 foram relatados no Brasil em 25 de fevereiro. Agora isso aconteceu.

Após um teste de triagem de coronavírus, Alvanei Xirizana, um jovem Yanomami de 15 anos morreu em 10 de abril no hospital de Roraima, estado brasileiro em que está localizada a maior parte da reserva territorial Yanomami. O adolescente queixou-se de dor no peito, dificuldade em respirar, dor de garganta e febre. Segundo relatos, sua comunidade deveria ter ameaçado a equipe de saúde depois que seu pedido de transporte foi negado para levá-lo ao hospital geral de Roraima. Quando ele chegou ao hospital, ele foi enviado para a unidade de terapia intensiva e sepultado.

O garoto era de uma comunidade no rio Uraricoera, há muito tempo atormentada por garimpeiros.

fotomontagem: Menino Yanomami mirado – Barbara Crane Navarro

Em 22 de junho, havia pelo menos 168 casos de COVID-19 em comunidades Yanomami; cinco mortes e três outras mortes suspeitas pelo vírus. Garimpeiros são vetores da doença. Eles também trazem violência; Nesta semana, dois Yanomami da comunidade Xaruna de Parima foram assassinados por garimpeiros.

Por muitas décadas, o território Yanomami foi invadido por dezenas de milhares de garimpeiros. Anteriormente, as arruelas douradas traziam gripe e sarampo, que eram fatais para os Yanomami. Os povos indígenas carecem de resistência a doenças externas. Viver juntos em moradias coletivas impossibilita o distanciamento social. Se um nativo estiver infectado com o coronavírus, todos na sua aldeia poderão ser dizimados.

Os líderes Yanomami suspeitam que os garimpeiros sejam responsáveis ​​pela introdução do coronavírus em suas comunidades. Eles estão muito preocupados com o fato de mais de 25.000 garimpeiros estarem operando em sua reserva, destruindo a floresta para abrir espaços para poços de extração, poluindo a terra e os rios com mercúrio e contaminando peixes.O barulho ensurdecedor de suas máquinas e tubos de alta potência assusta o jogo, não deixando nada para os Yanomami caçarem. À medida que o vírus se espalha pelo Brasil, a corrida ao ouro na Amazônia continua inabalável, confirmando o potencial de devastação entre os 850.000 indígenas do país.

Território Yanomami, rio Uraricoera, janeiro 2016 acima e agosto 2019 abaixo, foto de satélite:

Enquanto isso, a exposição atual “A luta Yanomami” na Fundação Cartier inclui esta descrição: “Representando um povo cuja existência está em perigo, Davi Kopenawa faz um retrato inesquecível da cultura Yanomami, ontem e hoje, no coração da floresta tropical – um mundo onde o conhecimento indígena antigo e as tradições xamânicas enfrentam a geopolítica global de uma indústria insaciável de extração de recursos naturais. “

– SIM, A INDÚSTRIA DE EXTRAÇÃO DE OURO E DIAMANTE REPRESENTADA POR Cartier!

A publicidade da exposição continua com esta declaração: “A situação se deteriorou ainda mais na década de 1980, quando as terras Yanomami foram invadidas por 40.000 mineiros de Ouro. Mais de 15% da população morre de malária e doenças infecciosas.”

foto: Claudia Andujar, La Lutte Yanomami, 2020, Fundação Cartier, Paris. LUC BOEGLY 2020

Hoje, em 2020, o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, propõe autorizar a mineração comercial em áreas indígenas e não leva em consideração os esforços ecológicos e os interesses indígenas. Também minimiza o grave desastre de saúde causado pelo coronavírus.

O que podemos fazer com essa situação intolerável? Obviamente, nunca aceitaríamos a contaminação de nosso suprimento de água potável ou a destruição de minas de ouro em nossos jardins ou em nossas próprias cidades.

fotomontagem: varrida para o tapete vermelho – série “Pas de Cartier” – Barbara Crane Navarro com anúncio e foto da Cartier João Laet / The Guardian

Se você planeja usar jóias de ouro ou oferecer itens de ouro como presente, reconsidere. Os Yanomami e todos os povos indígenas cujas terras são devastadas para extrair ouro, diamantes e outros minerais valem muito mais do que ornamentos ostensivos.

Pare de comprar e usar jóias de ouro e diamantes e ajude a defender os povos indígenas do mundo da loucura predatória de Cartier e outras empresas que promovem a idéia de “luxo” como um acúmulo de bugigangas desnecessárias e sem utilidade.

O verdadeiro luxo é viver e prosperar em um mundo saudável e não contaminado. Vamos apoiar, incentivar e promover esta visão do futuro.

“Quando você corta as árvores, agride os espíritos de nossos ancestrais. Ao procurar minerais, você perfura o coração da Terra. E quando você derrama venenos na terra e nos rios, produtos químicos agrícolas e mercúrio das minas de ouro, você enfraquece os espíritos, plantas, animais e a própria terra. Quando você enfraquece a terra assim, ela começa a morrer. Se a terra morrer, se a nossa Terra morrer, nenhum de nós será capaz de viver e também morreremos. ” – cacique Raoni Metuktire

About Barbara Crane Navarro - Rainforest Art Project

I'm a French artist living near Paris. From 1968 to 1973 I studied at Rhode Island School of Design in Providence, Rhode Island, then at the San Francisco Art Institute in San Francisco, California, for my BFA. My work for many decades has been informed and inspired by time spent with indigenous communities. Various study trips devoted to the exploration of techniques and natural pigments took me originally to the Dogon of Mali, West Africa, and subsequently to Yanomami communities in Venezuela and Brazil. Over many years, during the winters, I studied the techniques of traditional Bogolan painting. Hand woven fabric is dyed with boiled bark from the Wolo tree or crushed leaves from other trees, then painted with mud from the Niger river which oxidizes in contact with the dye. Through the Dogon and the Yanomami, my interest in the multiplicity of techniques and supports for aesthetic expression influenced my artistic practice. The voyages to the Amazon Rainforest have informed several series of paintings created while living among the Yanomami. The support used is roughly woven canvas prepared with acrylic medium then textured with a mixture of sand from the river bank and lava. This supple canvas is then rolled and transported on expeditions into the forest. They are then painted using a mixture of acrylic colors and Achiote and Genipap, the vegetal pigments used by the Yanomami for their ritual body paintings and on practical and shamanic implements. My concern for the ongoing devastation of the Amazon Rainforest has inspired my films and installation projects. Since 2005, I've created a perfomance and film project - Fire Sculpture - to bring urgent attention to Rainforest issues. To protest against the continuing destruction, I've publicly set fire to my totemic sculptures. These burning sculptures symbolize the degradation of nature and the annihilation of indigenous cultures that depend on the forest for their survival.
This entry was posted in Uncategorized. Bookmark the permalink.

12 Responses to A febre de ouro, COVID-19 e o genocídio Yanomami – atualizado

  1. czls says:

    Sim. É trágico o que acontece com os Yanomami com a devastação dos garimpeiros. O que valorizamos e
    o maneira como consumimos exigirá, é claro, uma revisão drástica.

    Liked by 3 people

  2. poryla says:

    Que absurdo! Os povos indígenas pertencem a mesma raça, a humana. Porque tanta distinção?

    Liked by 3 people

  3. Agora que um garoto Yanomami morreu de um coronavírus transmitido por garimpeiros, a exposição exclusivamente virtual da Fundação Cartier choca com a seguinte descrição: “Representando um povo cuja própria existência está em perigo, Davi Kopenawa desenha um retrato inesquecível da cultura Yanomami, do passado e do presente, no coração da floresta tropical, um mundo onde o conhecimento indígena antigo e as tradições xamânicas enfrentam a geopolítica global de uma INDÚSTRIA DE EXTRAÇÃO DE RECURSOS NATURAIS INSACIÁVEL”, de fato, a indústria de extração de OURO representada pela Cartier!

    Liked by 3 people

  4. Absolutamente desumano e inaceitável colocar o valor do ouro em um nível superior ao das vidas indígenas!

    Liked by 1 person

  5. O ouro é, por si só, uma doença da mente humana. Durante anos, as centenas de campos ilegais de mineração de ouro em todo o território Yanomami no Brasil e na Venezuela poluíram os rios com mercúrio e destruíram a floresta. Os garimpeiros historicamente espalharam doenças, agora COVID-19. Se essa loucura de ouro não for interrompida agora, os Yanomami, outros povos indígenas e, finalmente, toda a Amazônia serão destruídos.

    Liked by 2 people

  6. A good friend of mine, an explorer, studied the Yanomami in the 60’s (55 years ago) whilst exploring the Amazon and the Orinoco. He describes them as “Probably the most primitive peoples on earth ….. friendly and inquisitive …. no sooner had we stepped ashore they unashamedly went through our pockets and ask us for whatever they found there.”

    This blog is very sad

    Like

    • Barbara Navarro - Rainforest Art Project says:

      Someone who “studied” the Yanomami and could conclude that they were “primitive” astounds me. A community that lives all together in one large house has ideas about sharing that are different from those of your friend. My times with the Yanomami filled me with joy and humility. They shared with me, gave me gifts and also helped themselves to my, what do we call them – belongings? I felt slightly depressed each time I returned to “civilization” in Paris. The situation of the Yanomami and other indigenous peoples in territories ravaged by gold mining is sad and desperate. The saddest element is how much our society “needs” the gold in the forests and rivers of the Amazon and how blithely we will let indigenous people die for our decorative shiny items. Our society, our culture of consumption, our “civilization” is deeply, irredeemably sad.

      Liked by 1 person

  7. Reblogged this on Barbara Crane Navarro and commented:

    Em 22 de junho, havia pelo menos 168 casos de COVID-19 em comunidades Yanomami; cinco mortes e três outras mortes suspeitas pelo vírus. Garimpeiros são vetores da doença. Eles também trazem violência; Nesta semana, dois Yanomami da comunidade Xaruna de Parima foram assassinados por garimpeiros.
    NÃO ao SANGUE DO OURO !!!

    Like

  8. Pingback: Destruição da mineração de ouro na floresta amazônica -“Quando você corta as árvores, agride os espíritos de nossos ancestrais. Ao procurar minerais, você perfura o coração da Terra…” | Barbara Crane Navarro

  9. Andreia Gomes says:

    nossa que absurdo…

    Liked by 1 person

  10. Pingback: Mãe e criança Yanomami, Amazonas, Venezuela | Barbara Crane Navarro

  11. Pingback: A Cegante Feitiçaria de Ouro | Barbara Crane Navarro

Leave a Reply to Andreia Gomes Cancel reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s