« A terra para os indígenas não tem valor comercial, como no sentido privado da posse civil. É uma relação de identidade, que inclui espiritualidade e existência, e é possível afirmar que não existe comunidade indígena sem terra »

O ministro do Supremo Tribunal Federal, Edson Fachin, votou pela rejeição do « marco temporal » e a favor dos direitos dos povos indígenas.

Fachin disse: « Não há maior segurança jurídica do que o respeito à Constituição », refutando o argumento ruralista de que demarcações sem « marco temporal » geram insegurança jurídica.

Em seu voto, Fachin defende que os direitos constitucionais indígenas não podem ser questionados, « pois esses direitos estão vinculados à própria condição de existência dessas comunidades e ao seu modo de vida. »

Ele rejeita interpretações que tentam igualar propriedade nativa e civil, como o faz o « marco temporal ». « Terras indígenas », diz ele, « são maiores do que um ‘conjunto de cabanas’; incluem todo o território necessário à existência dos povos. »

Ele acrescentou que « a terra para os povos indígenas não tem valor comercial, como no sentido privado de posse civil. É uma relação de identidade, que inclui espiritualidade e existência, e é possível afirmar que não existe comunidade indígena sem terra ».


 Milhares de mulheres indígenas de 150 nações indígenas marcham por Brasília em defesa de seus direitos

O Ministro Fachin propôs corrigir a tese:

« Os direitos territoriais indígenas consistem em direito fundamental dos povos indígenas e se concretizam no direito originário sobre as terras que tradicionalmente ocupam, sob os seguintes pressupostos:

I – a demarcação consiste em procedimento declaratório do direito originário territorial à posse das terras ocupadas tradicionalmente por comunidade indígena;

II – a posse tradicional indígena é distinta da posse civil, consistindo na ocupação das terras habitadas em caráter permanente pelos índios, das utilizadas para suas atividades produtivas, das imprescindíveis à preservação dos recursos ambientais necessários a seu bem-estar …

III – a proteção constitucional aos direitos originários sobre as terras que tradicionalmente ocupam independe da existência de um marco temporal em 05 de outubro de 1988, porquanto não há fundamento no estabelecimento de qualquer marco temporal;

IV – a proteção constitucional aos direitos originários sobre as terras que tradicionalmente ocupam independe da configuração do renitente esbulho como conflito físico ou controvérsia judicial persistente à data da promulgação da Constituição;

V – o laudo antropológico realizado nos termos do Decreto nº 1.776/1996 é elemento fundamental para a demonstração da tradicionalidade da ocupação de comunidade indígena determinada, de acordo com seus usos, costumes e tradições;

VI – o redimensionamento de terra indígena não é vedado em caso de descumprimento dos elementos contidos no artigo 231 da Constituição da República, por meio de procedimento demarcatório nos termos nas normas de regência;

VII – as terras de ocupação tradicional indígena são de posse permanente da comunidade, cabendo aos índios o usufruto exclusivo das riquezas do solo, dos rios e lagos nelas existentes;

VIII – as terras de ocupação tradicional indígena, na qualidade de terras públicas, são inalienáveis, indisponíveis e os direitos sobre elas imprescritíveis;

IX – são nulos e extintos, não produzindo efeitos jurídicos, os atos que tenham por objeto a posse, o domínio ou a ocupação das terras de ocupação tradicional indígena, ou a exploração das riquezas do solo, rios e lagos nelas existentes …

X – há compatibilidade entre a ocupação tradicional das terras indígenas e a tutela constitucional ao meio ambiente. »

Os advogados indígenas Samara Pataxó, Luiz Eloy Terena e Ivo Aureliano Makuxi resumiram a votação desta quarta-feira 15:

« O voto de Nunes Marques, divergindo do voto de Fachin, reproduziu argumentos já utilizados e reforçados por aqueles que se agarram vagamente ao ‘marco temporal’ para continuar o roubo de terras e vidas indígenas!

Retomando os argumentos dos setores mais atrasados ​​da agroindústria, como recortar e colar petições da população rural, o Ministro Nunes Marques apresentou seu voto favorável à tese do « marco temporal » para a delimitação de terras indígenas , afirmando que sem ela a « soberania nacional » e a « pacificação social » estariam ameaçadas.

Nunes Marques reconhece que a lei indígena é imprescritível, mas aplica o « marco temporal », garantindo anistia para crimes contra os povos indígenas. Um voto monstruoso!

Temos resistido por mais de 500 anos.

_ Eles arrancaram nossas folhas

quebrou nossos galhos

corte nossos troncos

Mas eles se esqueceram de arrancar nossas raízes ‘

E hoje estamos lutando pela vida. Eles ainda não entendem.

Mas é verdade que os povos indígenas correm o risco de desaparecer!

Obrigado por ficar alerta e mobilizado! NÃO ao « Marco Temporal »!


O futuro dos povos indígenas do Brasil está em jogo

« Os direitos indígenas estão em risco no Brasil, como nunca antes na história. Os povos indígenas agora são perseguidos em nosso país por um presidente que articula o desmantelamento total de nossos direitos. »

– Emerson Pataxó

Para mais detalhes, leia:

NÃO ao estratagema de « Marco Temporal » – Uma aberração!

About Barbara Crane Navarro - Rainforest Art Project

I'm a French artist living near Paris. From 1968 to 1973 I studied at Rhode Island School of Design in Providence, Rhode Island, then at the San Francisco Art Institute in San Francisco, California, for my BFA. My work for many decades has been informed and inspired by time spent with indigenous communities. Various study trips devoted to the exploration of techniques and natural pigments took me originally to the Dogon of Mali, West Africa, and subsequently to Yanomami communities in Venezuela and Brazil. Over many years, during the winters, I studied the techniques of traditional Bogolan painting. Hand woven fabric is dyed with boiled bark from the Wolo tree or crushed leaves from other trees, then painted with mud from the Niger river which oxidizes in contact with the dye. Through the Dogon and the Yanomami, my interest in the multiplicity of techniques and supports for aesthetic expression influenced my artistic practice. The voyages to the Amazon Rainforest have informed several series of paintings created while living among the Yanomami. The support used is roughly woven canvas prepared with acrylic medium then textured with a mixture of sand from the river bank and lava. This supple canvas is then rolled and transported on expeditions into the forest. They are then painted using a mixture of acrylic colors and Achiote and Genipap, the vegetal pigments used by the Yanomami for their ritual body paintings and on practical and shamanic implements. My concern for the ongoing devastation of the Amazon Rainforest has inspired my films and installation projects. Since 2005, I've created a perfomance and film project - Fire Sculpture - to bring urgent attention to Rainforest issues. To protest against the continuing destruction, I've publicly set fire to my totemic sculptures. These burning sculptures symbolize the degradation of nature and the annihilation of indigenous cultures that depend on the forest for their survival.
This entry was posted in Uncategorized. Bookmark the permalink.

6 Responses to « A terra para os indígenas não tem valor comercial, como no sentido privado da posse civil. É uma relação de identidade, que inclui espiritualidade e existência, e é possível afirmar que não existe comunidade indígena sem terra »

  1. Pingback: « A terra para os indígenas não tem valor comercial, como no sentido privado da posse civil. É uma relação de identidade, que inclui espiritualidade e existência, e é possível afirmar que não existe comunidade indígena sem terra » — Barbar

  2. Pingback: O Genocídio dos Povos Indígenas na América do Norte ANTES de acontecer na América do Sul AGORA! | Barbara Crane Navarro

  3. Pingback: O Dia dos Povos Indígenas é um feriado celebrado nos países colonizados para homenagear os povos indígenas e comemorar suas histórias e culturas – enquanto governos e empresas continuam a pilhar, saquear e roubar territórios indígenas! | Barb

  4. Pingback: O Dia dos Povos Indígenas é um feriado celebrado nos países colonizados para homenagear os povos indígenas e comemorar suas histórias e culturas – enquanto governos e empresas continuam a pilhar, saquear e roubar territórios indígenas! | Barb

  5. Pingback: O Dia dos Povos Indígenas é um feriado celebrado nos países colonizados para homenagear os povos indígenas e comemorar suas histórias e culturas – enquanto governos e empresas continuam a pilhar, saquear e roubar territórios indígenas! | Barb

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s