A arte é apenas outro item de luxo? Sem Cartier! – Atualizada!

A Fundação Cartier apresenta a exposição “A Luta Yanomami” enquanto os Yanomami lutam atualmente contra a indústria do ouro que está destruindo seu território e contra os garimpeiros que espalham o coronavírus!

Sim, a Fundação Cartier “apóia” um povo, os Yanomami, vítimas de uma atividade, a extração de ouro sujo, que enriquece justamente o negócio de joias e relógios de luxo Cartier !

Desta vez, a exposição Cartier será na Triennale Milano de 17 de outubro a 7 de fevereiro de 2021.

montagem de fotos: série “Pas de Cartier” – Barbara Crane Navarro – com propaganda para Cartier e foto de João Laet

A ONG Survival – de acordo com seu site: “Estamos lutando pela sobrevivência dos povos indígenas. Evitamos que madeireiros, garimpeiros e empresas de petróleo destruam a terra, as vidas e o futuro dos povos indígenas em todo o mundo.” Em vez de fazer discursos internos durante a vernissage da Cartier em 30 de janeiro de 2020, os representantes da Survival deveriam estar do lado de fora da Fundação Cartier para protestar com cartazes como “Pare com a lavagem verde de ‘ouro sujo e diamantes de sangue!” e “Pas de Cartier!”

Então, ainda há tempo antes da Triennale Milano / Fondation Cartier Expo …

Foto: anúncio Triennale Milano / Fondation Cartier

O CEO da Fundação Cartier, Hervé Chandès, detalha em uma entrevista com Caroline Lebrun como a Fundação Cartier é supervisionada pela empresa de relógios de ouro e joias de luxo Cartier: “A Fundação é privada, totalmente financiada pela Cartier para sua comunicação.

https://www.paris-art.com/herve-chandes-fondation-cartier/

Nenhum de seus ornamentos de ouro de luxo está à venda na fundação, mas a Cartier, comerciante de itens de ouro de luxo desde 1847, com um faturamento de 441.351.000 € em 31 de março de 2019, criou sua fundação com fundos de venda de ouro e diamante.

Alain-Dominique Perrin é um empresário francês que ingressou na Cartier em 1969 como adido comercial para desenvolver vendas. Foi presidente da empresa Cartier de 1975 a 1998 e fundador, em 1984, da Fundação Cartier de arte contemporânea. No início dos anos 80, com a chegada do governo de esquerda, Perrin considerou a melhor maneira de registrar sua marca nesta nova sociedade civil. Ele identificou o “patrocínio artístico” como a melhor alavanca para o setor de luxo. Em 1984, ele fundou a Cartier Fundação de Arte Contemporânea, uma iniciativa de patrocínio corporativo completamente inovadora. Em 1986, o Ministro da Cultura o nomeou como gerente de projetos para patrocínio corporativo. A seguinte lei de patrocínio corporativo foi adotada em julho de 1987. Em 1994, a fundação mudou-se para sua localização atual em um prédio de vidro projetado pelo arquiteto Jean Nouvel, rodeado por um moderno jardim arborizado. Em 2011, Perrin pediu a Jean Nouvel para elaborar planos preliminares para uma nova base em Île Seguin. Em 2014, a fundação abandonou os planos de realocar a ilha e, em vez disso, ordenou que a Nouvel trabalhasse na expansão de suas instalações atuais. Perrin tornou-se, em 1999, vice-presidente do grupo Richemont, uma empresa suíça especializada em luxo (que inclui Cartier, Van Cleef & Arpels e Piaget).

Hoje, a Richemont é o segundo grupo de luxo do mundo em termos de faturamento, atrás da LVMH. A marca de luxo Cartier é o carro-chefe do grupo Richemont, representando metade de seu faturamento total e dois terços de seus resultados contábeis. A Richemont Financial Company é um grupo especializado no setor de luxo, fundado em 1988 pelo bilionário sul-africano Johann Rupert quando a família Rupert separou seus ativos estrangeiros dos ativos sul-africanos para evitar sanções internacionais destinadas ao apartheid. O grupo começa com ações da Cartier Monde SA e Rothmans International. Na década de 1990, as atividades do grupo foram divididas em duas áreas: Rothmans International para tabaco e Vendôme Luxury Group para moda e luxo. Em 2008, Richemont deu uma virada estratégica e decidiu se concentrar apenas no luxo. Perrin se aposentou em dezembro de 2003, mas continuou a ser diretor da SCI Financière Richemont e continuou a assessorar o grupo.

A seguir, é apresentado o relatório de responsabilidade social corporativa da Richemont de 2019: “Mostra como cumprimos nossos compromissos e descreve como lidamos com nossos impactos sociais, éticos e ambientais. Como empresa responsável por itens de luxo, buscamos melhorar a vida em todos os níveis da cadeia de valor de luxo. Entre os destaques do ano, destacamos o desenvolvimento de nossa estratégia transformadora de RSE, uma revisão atualizada da materialidade e desenvolvimentos significativos dentro do Conselho de Jóias Responsáveis. Além disso, nossas Casas colaboraram com o WWF no exame das principais empresas suíças de relógios e joias.”

A avaliação da Human Rights Watch sobre as práticas de negócios da Cartier pode ser encontrada em um artigo do professionaljeweler.com: “A Cartier é propriedade da Richemont, um grupo de produtos de luxo com sede na Suíça e representa aproximadamente 45% do faturamento da Richemont. Cadeia de custódia: a Cartier tem uma cadeia de custódia para parte, mas não todo, de seu ouro. Não indica se tem uma cadeia de custódia para diamantes … A política de responsabilidade corporativa da Cartier não menciona a rastreabilidade … A empresa-mãe da Cartier, Richemont, diz que a rastreabilidade é um objetivo de longo prazo e um foco de melhoria para todos os seus negócios nos próximos anos. De acordo com o Código de Conduta do Fornecedor da Richemont, os fornecedores são obrigados a demonstrar que exercem a devida diligência em direitos humanos, mas não está claro se a Cartier cumpre essa disposição. Cartier não respondeu ao pedido da Human Rights Watch de uma reunião.”

É claramente vital para a Survival, bem como para o WWF, denunciar a indústria de ouro de luxo, ouro sujo de sangue, que destrói florestas e vidas indígenas, em vez de colaborar com eles …


“O Homem Yanomami mirado” fotomontagem – Barbara Crane Navarro

Parafraseando Davi Kopenawa: “A indústria de joias de luxo é uma armadilha para o povo Yanomami. Cartier usa sua « amizade” para nos enganar e manipular. O que eles querem é extrair nossa riqueza e enviá-la para outros países. A riqueza de nossa terra. Yanomami, eles vão pegá-lo e enviá-lo para China, Japão, Alemanha e outros lugares. É o modo de pensar deles. É sua preocupação, ganhar dinheiro, ganhar dinheiro para enriquecer.”

Havia um artigo no Télérama no início da exposição de Cartier “A luta Yanomami”, com uma foto de um homem Yanomami na capa. O artigo não levou em consideração o fato de a Fundação Cartier “apoiar” um povo, os Yanomami, vítima de uma atividade, a extração de ouro, que enriquece precisamente a empresa de joias de luxo Cartier!

Isso me lembrou de 2011, quando a companhia petrolífera francesa Perenco patrocinou a exposição “Mayas: do amanhecer ao anoitecer” no museu du quai Branly. Naturalmente, os maias eram tratados apenas no período clássico até cerca do século 10. Daí a pergunta que foi feita no local na entrada do museu, mas também na mídia: “Um maia morto é mais interessante do que um maia vivo?” Perenco até financiou um “Batalhão Verde” formado por soldados guatemaltecos, supostamente para proteger o meio ambiente. Na realidade, este batalhão perseguiu e afugentou os camponeses maias que viviam nas áreas onde Perenco estabeleceu seus poços de petróleo. Gregory Lassalle fez um documentário sobre o assunto (“Dos excessos da arte aos produtos petrolíferos” (2011) e um filme anterior, “O negócio de ouro na Guatemala” (2007).

Existem os links abaixo, incluindo o primeiro de Télérama. A mídia era definitivamente mais crítica na época do modelo industrial dominante …

“Um contestado patrono da exposição “Maya” em Quai Branly. Podemos extrair petróleo em um parque natural e patrocinar uma exposição sobre uma das grandes civilizações da América pré-colombiana? A questão é levantada pelo Collectif Guatemala por ocasião da inauguração, terça-feira, 21 de junho, da exposição “Maya, do amanhecer ao anoitecer”, no museu Quai Branly. A empresa franco-britânica Perenco, envolvida, recebe apoio de assessores científicos na mostra.”

https://www.telerama.fr/scenes/un-mecene-conteste-a-l-expo-maya-du-quai-branly,70441.php

“GUATEMALA. Expo Maya em Quai Branly: um patrono incômodo Associações denunciam os impactos ambientais na reserva natural Laguna del Tigre da petroleira Perenco. Várias associações francesas e guatemaltecas escolheram o dia 20 de junho para denunciar na França as ações da petrolífera franco-britânica Perenco na Guatemala, na véspera da inauguração da exposição maia no museu Quai Branly. A petroleira, que zela por sua imagem ao patrocinar esta mostra, é acusada por essas associações de não respeitar o patrimônio ambiental da Guatemala.

https://www.nouvelobs.com/monde/20110621.OBS5582/guatemala-expo-maya-au-quai-branly-un-mecene-encombrant.html

About Barbara Crane Navarro - Rainforest Art Project

I'm a French artist living near Paris. From 1968 to 1973 I studied at Rhode Island School of Design in Providence, Rhode Island, then at the San Francisco Art Institute in San Francisco, California, for my BFA. My work for many decades has been informed and inspired by time spent with indigenous communities. Various study trips devoted to the exploration of techniques and natural pigments took me originally to the Dogon of Mali, West Africa, and subsequently to Yanomami communities in Venezuela and Brazil. Over many years, during the winters, I studied the techniques of traditional Bogolan painting. Hand woven fabric is dyed with boiled bark from the Wolo tree or crushed leaves from other trees, then painted with mud from the Niger river which oxidizes in contact with the dye. Through the Dogon and the Yanomami, my interest in the multiplicity of techniques and supports for aesthetic expression influenced my artistic practice. The voyages to the Amazon Rainforest have informed several series of paintings created while living among the Yanomami. The support used is roughly woven canvas prepared with acrylic medium then textured with a mixture of sand from the river bank and lava. This supple canvas is then rolled and transported on expeditions into the forest. They are then painted using a mixture of acrylic colors and Achiote and Genipap, the vegetal pigments used by the Yanomami for their ritual body paintings and on practical and shamanic implements. My concern for the ongoing devastation of the Amazon Rainforest has inspired my films and installation projects. Since 2005, I've created a perfomance and film project - Fire Sculpture - to bring urgent attention to Rainforest issues. To protest against the continuing destruction, I've publicly set fire to my totemic sculptures. These burning sculptures symbolize the degradation of nature and the annihilation of indigenous cultures that depend on the forest for their survival.
This entry was posted in Uncategorized. Bookmark the permalink.

9 Responses to A arte é apenas outro item de luxo? Sem Cartier! – Atualizada!

  1. Christiana Magalhães says:

    Obrigado por chamar a atenção para este problema!
    A indústria do ouro é tão enorme e tão destrutiva.
    É terrível que os planos para o futuro dos povos indígenas que vivem em áreas com mineração de ouro sejam arruinados.

    Liked by 3 people

  2. Alvaro Gavião says:

    A Fundação Cartier, apresentando as fotos de Claudia Andujar em um cenário chamativo como a decoração de uma grande joalheria, apóia a causa dos índios Yanomami, cujo território está ameaçado, diz um cartel de exposições, por uma invasão maciça de garimpeiros; o círculo está completo.

    Liked by 3 people

  3. Lêda Azevedo says:

    Por que essa exposição – A luta Yanomami – não está sendo apresentada em um museu ou galeria que NÃO é parte integrante da indústria de extração de ouro e diamantes contra a qual os Yanomami estão lutando?

    Liked by 3 people

  4. Jana Dos Santos says:

    É chocante que a Cartier, a joalheria de ouro, esteja apresentando uma exposição supostamente em apoio aos Yanomami, cujas vidas foram devastadas pela extração de ouro em seu território ancestral. A destruição de seu território por mineradores está em andamento há décadas.
    Um blog bem composto. Apreciei sua visão geral dos detalhes envolvidos nesta questão complicada.

    Liked by 3 people

  5. czls says:

    É difícil entender por que Davi Kopenawa, porta-voz dos Yanomami, que descreveu o ouro como “ouro canibal” colaboraria com a Cartier, um negócio de joias de ouro de luxo que não poderia representar mais de maneira absoluta aqueles que ele considera as “pessoas de mercadorias” ou por que Fiore Longo, da Survival France, critica o WWF (no Twitter, em 4 de fevereiro) ”Então, por que você está fazendo parceria com madeireiros e destruindo terras e vidas de povos tribais?” enquanto participava da abertura da ”La Luta Yanomami” na Fundação Cartier, em parceria com a indústria do ouro que está destruindo as terras e vidas dos povos tribais!

    Liked by 3 people

  6. O edifício “art design”da Fundação Cartier, construída por e para a indústria de jóias de ouro de luxo, dá uma forma visível ao provérbio “tudo o que brilha não é ouro”. Qualquer coisa brilhante e superficialmente atraente não tem valor. O que é verdadeiramente precioso são as vidas dos Yanomami e de outros povos indígenas cujas terras e existência são degradadas e ameaçadas pela indústria do ouro.

    Liked by 3 people

  7. A própria existência de Cartier depende de seu envolvimento com a dúbia indústria de mineração de ouro e diamante. Cartier obviamente criou sua “fundação de arte contemporânea” para reviver sua reputação suja e confusa. Cartier é absolutamente repreensível, se escondendo atrás de uma fachada de “preocupação” suposta pelo povo Yanomami enquanto destrói suas terras e arranca seu futuro para ganhar dinheiro.

    Liked by 2 people

  8. Reblogged this on Barbara Crane Navarro and commented:

    Os artigos publicados durante a exposição da Fundação Cartier “A luta Yanomami” não levaram em conta o fato de que a Fundação Cartier “apóia” um povo, os Yanomami, vítimas de uma atividade, a extração de ouro de sangue sujo, o que enriquece os negócios da Cartier com jóias de luxo!

    Liked by 1 person

  9. Pingback: A arte é apenas outro item de luxo? Sem Cartier! – Atualizada! — Barbara Crane Navarro – Tiny Life

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s