O « Marco Temporal » – Genocídio para povos Indígenas e ecocídio para a floresta amazônica?

Mais uma vez, o Supremo Tribunal Federal adiou indefinidamente o julgamento em que os juízes decidirão se o prazo para a demarcação das terras ancestrais Indígenas será fixado na data de entrada em vigor da Constituição brasileira, 5 de outubro de 1988. , somente os territórios ocupados por comunidades Indígenas naquela data seriam reconhecidos, desconsiderando os povos Indígenas deslocados pela colonização e roubo de terras nos últimos 500 anos!

Este caso histórico foi apresentado pela primeira vez em 2017 e foi adiado três vezes desde então. A data marcada para o julgamento de 23 de junho foi removida da agenda do tribunal.

A Apib, Articulação dos Povos Indígenas do Brasil, ressalta que é de extrema importância que o prazo seja revertido o quanto antes, pois quanto mais demorar o julgamento, maior será a violência das indústrias extrativistas e do agronegócio contra os povos Indígenas .

Grupos Indígenas estão se mobilizando para se manifestar contra o Marco Temporal em Brasília em frente ao STF de 27 a 30 de junho!


Um símbolo ardente para a necropolítica de Bolsonaro! – Setembro de 2021

Bolsonaro está, mais uma vez, insinuando sua ilegalidade se a estratégia do “Marco Temporal” para definir um prazo de 1988 para as reivindicações de terras Indígenas – for rejeitada pelo Supremo Tribunal Federal!

Em setembro de 2021, um grupo de cerca de 150 Indígenas carregou um enorme caixão simbólico pelas escadas do palácio presidencial em Brasília e o incendiou. O caixão foi inscrito com a palavra “Genocídio” no topo com “Ecocídio”, “Não ao  Marco Temporal” e outros slogans nas laterais.

Mais de 6.000 pessoas de 176 nações Indígenas se reuniram em setembro no acampamento “Luta pela Vida” do lado de fora do Supremo Tribunal Federal em Brasília para exigir que os ministros decidam a seu favor e rejeitem o prazo de 1988, aprovado pelo governo Bolsonaro em 2016 e promovido pelo agronegócio, pecuária, madeireira e mineração de ouro.

Os ministros se reuniram novamente em 1º de setembro para uma decisão que fortaleceria a proteção dos povos e terras Indígenas conforme definido pela Constituição ou, como quer Bolsonaro, capacitaria as indústrias do agronegócio, pecuária, madeireira e mineração de ouro para desmatar e explorar e extrair recursos das terras indígenas, ameaçando a existência dos povos Indígenas e a própria floresta amazônica. Mas o julgamento foi adiado…

Uma das melhores maneiras de ajudar a preservar a floresta amazônica é ajudar diretamente os povos Indígenas que a protegem! Por favor, junte-se a mim para apoiar a Apib, a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil.

Eles fazem mais do que apenas petições aos governos que se beneficiam financeiramente da destruição em curso. A Apib está ajudando as comunidades Indígenas a resolver problemas de saúde em andamento e eles, junto com os advogados Indígenas, estão levando o governo brasileiro ao tribunal!

Seguem informações sobre a Apib em inglês, português e espanhol:

Home

e aqui:

https://apiboficial.org/sobre/?lang=en

Por favor, doe aqui se você quiser:

https://apiboficial.org/apoie/?lang=en

Informações adicionais sobre o engajamento Indígena estão aqui:

NÃO ao estratagema de « Marco Temporal » – Uma aberração!

About Barbara Crane Navarro - Rainforest Art Project

I'm a French artist living near Paris. From 1968 to 1973 I studied at Rhode Island School of Design in Providence, Rhode Island, then at the San Francisco Art Institute in San Francisco, California, for my BFA. My work for many decades has been informed and inspired by time spent with indigenous communities. Various study trips devoted to the exploration of techniques and natural pigments took me originally to the Dogon of Mali, West Africa, and subsequently to Yanomami communities in Venezuela and Brazil. Over many years, during the winters, I studied the techniques of traditional Bogolan painting. Hand woven fabric is dyed with boiled bark from the Wolo tree or crushed leaves from other trees, then painted with mud from the Niger river which oxidizes in contact with the dye. Through the Dogon and the Yanomami, my interest in the multiplicity of techniques and supports for aesthetic expression influenced my artistic practice. The voyages to the Amazon Rainforest have informed several series of paintings created while living among the Yanomami. The support used is roughly woven canvas prepared with acrylic medium then textured with a mixture of sand from the river bank and lava. This supple canvas is then rolled and transported on expeditions into the forest. They are then painted using a mixture of acrylic colors and Achiote and Genipap, the vegetal pigments used by the Yanomami for their ritual body paintings and on practical and shamanic implements. My concern for the ongoing devastation of the Amazon Rainforest has inspired my films and installation projects. Since 2005, I've created a perfomance and film project - Fire Sculpture - to bring urgent attention to Rainforest issues. To protest against the continuing destruction, I've publicly set fire to my totemic sculptures. These burning sculptures symbolize the degradation of nature and the annihilation of indigenous cultures that depend on the forest for their survival.
This entry was posted in Uncategorized. Bookmark the permalink.

2 Responses to O « Marco Temporal » – Genocídio para povos Indígenas e ecocídio para a floresta amazônica?

  1. Pingback: O « Marco Temporal » – Genocídio para povos Indígenas e ecocídio para a floresta amazônica? | Ned Hamson's Second Line View of the News

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s