COP26 – Apelo à ação! Todos nós precisamos rever nossa relação com a natureza e reorientar nossa associação com o consumismo! 

« Não vejo delegação para quatro patas. Não vejo um assento para as águias. Esquecemos e nos consideramos superiores. Mas, afinal, somos apenas parte da criação. E temos que considerar isso para entender onde estamos. E estamos parados em algum lugar entre a montanha e a formiga. Em algum lugar e apenas lá como parte integrante da criação. » 

– Chefe Oren Lyons, Nação Seneca, em discurso para Organizações Não-Governamentais das Nações Unidas, Genebra, Suíça, 1977

« Os últimos 500 anos viram uma ‘reorganização rápida, contínua e radical da vida na Terra sem precedentes geológicos’ – a chegada do colonialismo europeu, o imperialismo e a expansão associada dos sistemas econômicos capitalistas levando à transferência de doenças, plantas, animais, formas de uso da terra e sistemas administrativos para todo o mundo. »

De acordo com a ONU, estamos entrando em uma « era de pandemia” » causada pelo desmatamento, perda de habitat, agricultura intensiva e tráfico de vida selvagem.

O Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) disse que uma das maneiras mais importantes de reduzir as emissões de carbono é mudar para uma dieta baseada em vegetais.

A indústria da carne é responsável por produzir mais poluição climática do que todos os carros, navios, caminhões e aviões do mundo juntos.

Proteger as florestas do mundo estará na agenda climática da COP26. Espera-se que as nações apresentem metas mais ambiciosas na esperança de reduzir os danos climáticos. Muitos compromissos serão metas que dependem das florestas para remover uma certa quantidade de carbono da atmosfera.

O anfitrião da cúpula, o governo do Reino Unido, vê a silvicultura como uma questão chave para discussão com foco no desmatamento importado – árvores derrubadas devido à pressão das cadeias de abastecimento no Norte Global.

Essa pressão do consumidor tem causado a destruição de enormes áreas de floresta tropical, ricas em biodiversidade, capazes de capturar grandes quantidades de carbono.

A UE é responsável por 16% do desmatamento ligado ao comércio internacional, atrás apenas da China, e pretende propor legislação para prevenir o desmatamento importado para a UE após a cúpula da COP26.

Iniciativas governamentais e corporativas são importantes, mas, como vimos há décadas, boas intenções e discursos inspiradores 

nem sempre são seguidos por ações.

Como consumidores, podemos desempenhar um papel importante ao fazer escolhas que podem ajudar a prevenir a destruição total das florestas do mundo. O que escolhemos comer e consumir afeta a biodiversidade e os povos indígenas a milhares de quilômetros de casa.

Temos que nos perguntar: o que devemos realmente comprar? O que realmente precisamos comer?

Comprar itens sazonais de origem local que não viajam 3.000 quilômetros ajuda a combater o desmatamento em escala global. Simplificando, se não for cultivado ou produzido nas proximidades, não compre. Podemos limitar a destruição de florestas e habitats boicotando os produtos do desmatamento; óleo de palma, soja, carne, mas também madeiras exóticas, ouro, diamantes …

Nossas ações agora irão determinar o nosso futuro e o futuro de resto do mundo vivo.

« Não vejo delegação para quatro patas. Não vejo um assento para as águias. Esquecemos e nos consideramos superiores. Mas, afinal, somos apenas parte da criação. E temos que considerar isso para entender onde estamos. E estamos parados em algum lugar entre a montanha e a formiga. Em algum lugar e apenas lá como parte integrante da criação. » 

« Precisamos proteger as florestas para aqueles que não podem falar por si como pássaros, animais, peixes e árvores. Precisamos proteger as florestas para nossos filhos, netos e crianças que ainda não nasceram. »

– Chefe Oren Lyons, Nação Seneca, em discurso para Organizações Não-Governamentais das Nações Unidas, Genebra, Suíça, 1977

« Precisamos proteger as florestas para aqueles que não podem falar por si como pássaros, animais, peixes e árvores. Precisamos proteger as florestas para nossos filhos, netos e crianças que ainda não nasceram. »

About Barbara Crane Navarro - Rainforest Art Project

I'm a French artist living near Paris. From 1968 to 1973 I studied at Rhode Island School of Design in Providence, Rhode Island, then at the San Francisco Art Institute in San Francisco, California, for my BFA. My work for many decades has been informed and inspired by time spent with indigenous communities. Various study trips devoted to the exploration of techniques and natural pigments took me originally to the Dogon of Mali, West Africa, and subsequently to Yanomami communities in Venezuela and Brazil. Over many years, during the winters, I studied the techniques of traditional Bogolan painting. Hand woven fabric is dyed with boiled bark from the Wolo tree or crushed leaves from other trees, then painted with mud from the Niger river which oxidizes in contact with the dye. Through the Dogon and the Yanomami, my interest in the multiplicity of techniques and supports for aesthetic expression influenced my artistic practice. The voyages to the Amazon Rainforest have informed several series of paintings created while living among the Yanomami. The support used is roughly woven canvas prepared with acrylic medium then textured with a mixture of sand from the river bank and lava. This supple canvas is then rolled and transported on expeditions into the forest. They are then painted using a mixture of acrylic colors and Achiote and Genipap, the vegetal pigments used by the Yanomami for their ritual body paintings and on practical and shamanic implements. My concern for the ongoing devastation of the Amazon Rainforest has inspired my films and installation projects. Since 2005, I've created a perfomance and film project - Fire Sculpture - to bring urgent attention to Rainforest issues. To protest against the continuing destruction, I've publicly set fire to my totemic sculptures. These burning sculptures symbolize the degradation of nature and the annihilation of indigenous cultures that depend on the forest for their survival.
This entry was posted in Uncategorized. Bookmark the permalink.

3 Responses to COP26 – Apelo à ação! Todos nós precisamos rever nossa relação com a natureza e reorientar nossa associação com o consumismo! 

  1. Pingback: COP26 – Apelo à ação! Todos nós precisamos rever nossa relação com a natureza e reorientar nossa associação com o consumismo!  — Barbara Crane Navarro – Tiny Life

  2. nedhamson says:

    Reblogged this on Ned Hamson's Second Line View of the News and commented:
    COP26 – Appeal to action! We all need to review our relationship with nature and reorient our association with consumerism!

    Liked by 1 person

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s