ALERTA! – GENOCIDE / COVID-19: o Congresso do Brasil aprovou um projeto de lei para ajudar os povos indígenas que autorizam missionários em áreas onde vivem comunidades isoladas – Apagando a existência indígena / Parte 4

Comunidades indígenas isoladas na Amazônia são alvos de missionários fanáticos determinados a fazer contato e conversão forçados, bem como de funcionários do governo que desejam abrir territórios indígenas para interesses extrativos e agricultura.

A versão original do Projeto de Lei PL1142 / 2020 previa a prisão de criminosos que entravam nos territórios de comunidades indígenas isoladas durante a crise de saúde dos coronavírus. Uma alteração ao projeto de lei que autoriza missões religiosas foi adicionada no último minuto pelo deputado Wellington Roberto. Este projeto de lei que autoriza ações religiosas entre povos indígenas isolados foi aprovado no Congresso em 22 de maio. O projeto irá para o Senado.

Imagem original de Gleilson Miranda / Governo do Acre, retrabalhada por Barbara Crane Navarro

A Coordenação de Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (COIAB) rejeita absolutamente essa tentativa de abrir territórios indígenas com comunidades isoladas para acesso missionário. Segundo o COIAB, a invasão de missionários historicamente causou a tragédia e a morte de comunidades que foram forçadas ao contato e à conversão religiosa. O COIAB pede a rejeição desta parte do projeto e a retirada imediata dos missionários das terras onde vivem povos isolados.

Em meio à pandemia de coronavírus que assola o Brasil, aterrissando e decolando de vilarejos na região amazônica do Vale do Javari para entrar em contato e evangelizar as comunidades indígenas nessa região remota e de difícil acesso, os missionários evangélicos fundamentalistas não recuam nada . A região do vale do Javari possui o maior número de povos indígenas isolados no mundo, muito suscetíveis a doenças causadas pelo que consideramos civilização.

O evangélico Andrew Tonkin e o missionário cristão Wilson Kannenberg da “Rescue Wings”, uma organização missionária da aviação, retratada aqui com um homem nativo sem nome. Imagem do Facebook.

Existem pelo menos 100 grupos indígenas isolados na bacia amazônica brasileira que vivem em harmonia entre si e com o meio ambiente, mantendo tradições e crenças ancestrais como há milhares de anos.

Mais de 500 anos após a chegada dos primeiros colonizadores ao Brasil e o início da destruição de terras e vidas indígenas, os missionários americanos continuam com essa perigosa obsessão. A própria noção de conversão religiosa forçada ou “salvação” dos povos indígenas é um confronto com essas culturas ancestrais e com a autodeterminação constitucionalmente garantida das comunidades indígenas.

Relatos de líderes indígenas dos povos Marubo, Mayoruna e Matsé revelam que um missionário dos Estados Unidos, Andrew Tonkin, se organizou com outros membros da “Missão Internacional de Fronteira” para fazer uma expedição a Igarape Lambança para converter comunidades índios isolados no vale do Javari. “Os missionários compraram lanternas e outros equipamentos para tentar retornar ao vale do Javari. Andrew disse que já havia recebido a permissão de Deus lá em cima nos céus, e não há lei maior que essa que possa proibir sua entrada”, disse ele. um convertido nativo catequizado que participou de uma reunião com Andrew Tonkin e outro missionário dos Estados Unidos, Josiash Mcintyre.

Kenampa Marubo, coordenador geral da União dos Povos Indígenas do Vale do Javari (Unijava), relatou ter recebido ameaças de missionários americanos. Em 25 de março, Josiash Mcintyre, acompanhado por um jovem convertido de Marubo, invadiu a sede da Unijava em Atalaia do Norte. Seu objetivo era pressionar e intimidar os nativos que trabalham ali para forçá-los a dar permissão oficial para entrar no Vale do Javari, conforme exigido pela Fundação Nacional do Índio (Funai). Os missionários já possuem uma logística altamente desenvolvida para acessar comunidades isoladas; drones, computadores, armas de fogo, GPS e telefones por satélite. Para alcançar grupos isolados em Igarape Lambança, eles planejam usar o mesmo hidroavião monomotor que pertence ao missionário Wilson Kannenberg que eles usaram no passado em suas tentativas anteriores.

foto: Andrew Tonkin e detalhes do Evangelho (Gospel) no site da FIM

 O site da Missão Internacional da Fronteira “um ministério Batista de livre-arbítrio” está cheio de tópicos religiosos sentimentais e mal escritos, e o lema “conhecer está se tornando conhecido”. Ele afirma que Andrew Tonkin “faz o trabalho missionário há mais de onze anos na Bacia Amazônica. Seu trabalho é plantar igrejas indígenas e o trabalho missionário de crescimento da igreja”. Em outras partes do site, há a seguinte frase truncada: “Ore para que os inimigos não entrem em pânico e causem confusão, vencendo às custas desta preciosa igreja emergente ».

Um convite para morrer da Amazon News no site da FIM

Tonkin afirma que ele não está atualmente no Brasil, mas os líderes indígenas dizem que ele está mentindo e que, de fato, ele está em Benjamin Constant, uma cidade perto de Atalaia do Norte, onde vários missionários são encontrados. Uma família da Missão Internacional da Fronteira proclama no site: “Nosso coração e nosso objetivo no ministério é alcançar pessoas não alcançadas entre os remotos povos indígenas do Vale do Javari … para que possamos compartilhar o evangelho com eles, então ensiná-los, treiná-los e treiná-los para levar o Evangelho ao seu próprio povo”.

Um idoso indígena de Marubo respondeu: “Nossa preocupação é que, no contexto da pandemia de coronavírus, ainda exista a insistência em proselitizar por grupos fundamentalistas que trabalham para esse fim, que é uma atitude irresponsável e criminal”.

A Amazônia tem sido historicamente invadida por mineiros, madeireiros, criadores e missionários, alguns dos quais agora podem estar infectados com um coronavírus.         À medida que a pandemia se espalha no Brasil, há uma possibilidade real e aterradora de que comunidades indígenas remotas e vulneráveis ​​possam ser dizimadas pela doença após o contato com estranhos, pois elas não têm resistência ou imunidade mesmo para doenças ocidentais comuns. como gripe ou sarampo.                                     Uma epidemia de Covid-19 pode ser fatal para os 850.000 indígenas brasileiros que são particularmente suscetíveis a doenças respiratórias.

Muitas das comunidades indígenas com maior diversidade cultural, como a Kayapo na bacia do rio Xingu, nos estados de Mato Grosso e Pará, declararam um bloqueio e negaram acesso a qualquer pessoa fora da comunidade para impedir a propagação do vírus. espalhar entre eles.

Para muitos grupos indígenas no vale do Javari que optaram por permanecer isolados do contato com o mundo exterior, a prática de qualquer forma de “isolamento social” é complicada. O risco de uma pessoa infectada espalhar a doença a todos os membros do grupo é avassalador em grandes estruturas tradicionais de palha, onde os moradores ocupam o mesmo espaço. “Traga o Evangelho ao seu próprio povo.” isso poderia levar à aniquilação da comunidade.

photo: Gleilson Miranda / Governo do Acre

“Um convite para morrer” era uma metáfora missionária, mas durante a pandemia de coronavírus na Amazônia, agora é uma ameaça letal!

About Barbara Crane Navarro - Rainforest Art Project

I'm a French artist living near Paris. From 1968 to 1973 I studied at Rhode Island School of Design in Providence, Rhode Island, then at the San Francisco Art Institute in San Francisco, California, for my BFA. My work for many decades has been informed and inspired by time spent with indigenous communities. Various study trips devoted to the exploration of techniques and natural pigments took me originally to the Dogon of Mali, West Africa, and subsequently to Yanomami communities in Venezuela and Brazil. Over many years, during the winters, I studied the techniques of traditional Bogolan painting. Hand woven fabric is dyed with boiled bark from the Wolo tree or crushed leaves from other trees, then painted with mud from the Niger river which oxidizes in contact with the dye. Through the Dogon and the Yanomami, my interest in the multiplicity of techniques and supports for aesthetic expression influenced my artistic practice. The voyages to the Amazon Rainforest have informed several series of paintings created while living among the Yanomami. The support used is roughly woven canvas prepared with acrylic medium then textured with a mixture of sand from the river bank and lava. This supple canvas is then rolled and transported on expeditions into the forest. They are then painted using a mixture of acrylic colors and Achiote and Genipap, the vegetal pigments used by the Yanomami for their ritual body paintings and on practical and shamanic implements. My concern for the ongoing devastation of the Amazon Rainforest has inspired my films and installation projects. Since 2005, I've created a perfomance and film project - Fire Sculpture - to bring urgent attention to Rainforest issues. To protest against the continuing destruction, I've publicly set fire to my totemic sculptures. These burning sculptures symbolize the degradation of nature and the annihilation of indigenous cultures that depend on the forest for their survival.
This entry was posted in Uncategorized. Bookmark the permalink.

4 Responses to ALERTA! – GENOCIDE / COVID-19: o Congresso do Brasil aprovou um projeto de lei para ajudar os povos indígenas que autorizam missionários em áreas onde vivem comunidades isoladas – Apagando a existência indígena / Parte 4

  1. Anonymous says:

    Eu queria trabalhar com essa comunidade indígena

    Liked by 1 person

  2. É trágico! Essas comunidades indígenas não precisam ser “salvas” – elas devem ser deixadas em paz!

    Liked by 1 person

  3. czls says:

    A intrusão espiritual deve ser um crime punível com penas de prisão muito longas.

    Liked by 1 person

  4. Não repetimos essa paródia um milhão de vezes ao redor do mundo e ao longo da história para não aprender nada?

    Liked by 1 person

Leave a Reply to alessandrascarpulla Cancel reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s