O que você considera « ofensivo »?

« Os garimpeiros cavam em todos os lugares como porcos selvagens. Os rios da floresta logo serão nada mais do que remansos lamacentos cheios de lama, óleo de motor e lixo. Eles também lavam o pó de ouro em rios, misturando-o com o mercúrio. Todas essas coisas sujas e perigosas tornam as águas doentes e a carne dos peixes macia e podre. Depois que os garimpeiros chegaram, a floresta havia piorado e estava cheia de emanações epidêmicas de xawara. Desde a chegada dos garimpeiros entre nós, muitos de nossos pais e avós foram devorados por suas doenças ». – Porta-voz e xamã Yanomami Davi Kopenawa de Roraima, Brasil, A Queda do Céu

Qual é a minha opinião pessoal sobre « obscenidade »? Tive problemas ocasionais, por muitos anos, com fotos de Yanomami que viviam tradicionalmente na floresta tropical que postei no Facebook. Devido à censura em relação aos seus « padrões comunitários ». O Facebook remove fotos « ofensivas » e fui penalizado bloqueando minha capacidade de responder ou postar por um a três dias …

A foto abaixo, de um Yanomami caçador e esposa com pintura facial Achiote, é considerada « ofensiva », então, posteriormente, escondi áreas de sua anatomia para atender aos « padrões da comunidade » do Facebook.

Yanomami caçador e esposa com pintura facial Achiote, Amazonas, Venezuela – reformulado para evitar censura

Mas o Facebook não está sozinho na censura ao modo de vida das comunidades tradicionais. Meu  filme de momentos do cotidiano de uma comunidade Yanomami na floresta amazônica que está no Youtube desde 2014 está agora, desde 2020, limitado a maiores de 18 anos devido a: « Vídeo sujeito a restrição de idade (baseado em regras da comunidade) »

O que pessoalmente acho ofensivo é a foto abaixo – a floresta devastada e envenenada pela mineração de ouro em territórios indígenas. A destruição de florestas, a contaminação de rios, peixes e pessoas com mercúrio e cianeto são totalmente obscenas.

Local de mineração de ouro na floresta tropical

Outra foto que considero profundamente obscena é a de crianças em um local de mineração de ouro, trabalhando e vadeando em águas carregadas de mercúrio. A maioria dos trabalhadores nas minas de ouro ilegais fora do Arco Minero del Orinoco, na Venezuela, vivem em abrigos improvisados ​​com lonas de plástico e tábuas de madeira ao redor das minas de ouro. Existem cerca de 300.000 mineiros de ouro e 45% são crianças! O dano à saúde causado pelo envenenamento por mercúrio é irreversível.

Crianças em busca de ouro na Venezuela

Outra foto terrivelmente obscena foi tirada do espaço revelando o que parecem ser « rios de ouro » na região de Madre de Dios no Peru, mas na verdade mostra rios contaminados e danos da mineração de ouro para a biosfera da floresta tropical. Embora pareçam poças de ouro puro; eles são de fato poços de lama tóxica de locais de mineração de ouro!

A Corrida do Ouro Madre de Dios destrói grandes áreas de floresta em uma das regiões de maior biodiversidade do mundo, deixando uma paisagem lunar estéril pontilhada por crateras cheias de água estagnada e rios envenenados com mercúrio.

Destruição da mineração de ouro na região de Madre de Dios, no Peru, vista do espaço – foto: NASA

As operações de mineração de ouro em todo o mundo usam mercúrio para separar o ouro da lama, despejando resíduos em rios próximos, contaminando a vida selvagem, peixes e pássaros, bem como os próprios povos indígenas e mineiros, incluindo dezenas de milhares de crianças trabalhadoras. Estima-se que 1.200 meninas com idades entre 12 e 17 anos tenham se prostituído à força para menores apenas na região de Madre de Dios, no Peru. Esta é minha definição de obscenidade.

Este fato também é obsceno: dezenas de milhares de árvores da floresta tropical devem ser arrancadas, centenas de toneladas de solo extraídas e misturadas com dezenas de toneladas de poluentes ambientais tóxicos que contaminam terras nativas e fontes de água para extrair 1 1/2 grama de ouro por tonelada de solo poluído para este anel de ouro especial, joia de ouro, relógio de ouro ou acessório de ouro …

POR FAVOR, NÃO COMPRE NEM USE OURO!

ESCUTE A MENSAGEM DO XAMÃ YANOMAMI:

https://barbara-navarro.com/2020/11/22/escute-a-mensagem-de-shaman-yanomami/

A matéria que postei no Facebook em português no dia 17 de fevereiro foi censurada por causa da foto de uma mulher Yanomami caminhando para o rio com seus filhos. Solicitei que o Facebook reconsiderasse sua posição. Eles o fizeram e re-instauraram a foto em minha linha do tempo, mas não em grupos onde eu a havia compartilhado. Se você não conseguiu ver e ler o artigo inteiro, aqui está novamente:

https://barbara-navarro.com/2021/02/16/um-apelo-a-natureza-e-uma-mensagem-de-um-xama-yanomami/

About Barbara Crane Navarro - Rainforest Art Project

I'm a French artist living near Paris. From 1968 to 1973 I studied at Rhode Island School of Design in Providence, Rhode Island, then at the San Francisco Art Institute in San Francisco, California, for my BFA. My work for many decades has been informed and inspired by time spent with indigenous communities. Various study trips devoted to the exploration of techniques and natural pigments took me originally to the Dogon of Mali, West Africa, and subsequently to Yanomami communities in Venezuela and Brazil. Over many years, during the winters, I studied the techniques of traditional Bogolan painting. Hand woven fabric is dyed with boiled bark from the Wolo tree or crushed leaves from other trees, then painted with mud from the Niger river which oxidizes in contact with the dye. Through the Dogon and the Yanomami, my interest in the multiplicity of techniques and supports for aesthetic expression influenced my artistic practice. The voyages to the Amazon Rainforest have informed several series of paintings created while living among the Yanomami. The support used is roughly woven canvas prepared with acrylic medium then textured with a mixture of sand from the river bank and lava. This supple canvas is then rolled and transported on expeditions into the forest. They are then painted using a mixture of acrylic colors and Achiote and Genipap, the vegetal pigments used by the Yanomami for their ritual body paintings and on practical and shamanic implements. My concern for the ongoing devastation of the Amazon Rainforest has inspired my films and installation projects. Since 2005, I've created a perfomance and film project - Fire Sculpture - to bring urgent attention to Rainforest issues. To protest against the continuing destruction, I've publicly set fire to my totemic sculptures. These burning sculptures symbolize the degradation of nature and the annihilation of indigenous cultures that depend on the forest for their survival.
This entry was posted in Uncategorized. Bookmark the permalink.

5 Responses to O que você considera « ofensivo »?

  1. Pingback: O que você considera « ofensivo »? — Barbara Crane Navarro | Ned Hamson's Second Line View of the News

  2. Pingback: O que você considera « ofensivo »? — Barbara Crane Navarro – Tiny Life

  3. Pingback: Corretores SEMPRE estão vendendo no Facebook terras indígenas roubadas DUAS SEMANAS depois que a BBC expôs esse crime! No entanto, o Facebook remove fotos de povos indígenas tradicionais que “violam as normas da comunidade” HORAS após a p

  4. Pingback: O que você considera « ofensivo »? – Mágica Mistura✨

  5. Oi querida… realmente os padrões de obscenidade estão totalmente trocados…ainda mais em uma sociedade podre que erotiza crianças desde sempre … continuamos na resistência 🙏❤️

    Liked by 1 person

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s